Reggiani

Uma parcela considerável das despesas de um condomínio é proveniente do consumo de energia em sistemas de uso comum. A maior dificuldade dos síndicos e administradores é, ao ver a conta de energia elétrica ou água, saber, dentre os inúmeros usos, qual o que gasta quanto e onde estão as oportunidades de redução de custos. Assim como o consumo coletivo de água faz com que a preocupação de cada condômino seja menor (como num "churrasco rodízio", consumir mais não influencia o preço), a conta agregada de água e eletricidade deixa o administrador num verdadeiro vôo cego: será o elevador, a luz da garagem, a piscina? Este consumo está diretamente associado aos hábitos de uso, à maneira como são operados os equipamentos elétricos e à eficiência desses mesmos equipamentos. O peso da "conta de energia" nas despesas de um condomínio pode assumir uma participação da ordem de 10%, dependendo do porte do condomínio, do número de equipamentos existentes e da maneira como as instalações são utilizadas pelos condôminos. A adoção de medidas de conservação de energia contribuirá de maneira eficaz para a redução do consumo e, consequentemente, das despesas. É importante lembrar-se que conservar energia não significa a privação do conforto e benefícios que ela proporciona. Conservar energia, dentro de uma visão mais ampla, implica na transformação da sociedade dita do desperdício em direção a uma sociedade mais racional na utilização dos recursos globais, especialmente os insumos energéticos. Basicamente, podem-se mencionar dois níveis distintos de conservação: a eliminação dos desperdícios e a introdução de técnicas que aumentem a eficiência do uso da energia. Nesse contexto, na maioria dos casos de eliminação dos desperdícios o investimento requerido é mínimo ou nulo, sendo os resultados obtidos através da conscientização dos consumidores. No segundo nível, há necessidade da realização de investimentos, seja na substituição de equipamentos e processos por outros de maior rendimento, ou na implantação de dispositivos de controle. Independentemente do porte e características do condomínio sempre haverá a necessidade de iluminação em áreas comuns, tais como: garagens, corredores, hall social, jardins, etc. Este item responde tipicamente por 40% do consumo de eletricidade em um condomínio. Evidentemente, esse número pode variar muito em função das peculiaridades de cada um. De toda sorte, é uma parcela importante do consumo, com muitas e boas oportunidades de redução de custos. As técnicas de iluminação artificial têm avançado muito nos últimos anos. Na época do racionamento, foi dada muita ênfase à troca de lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas e o Brasil hoje é um campeão no uso destas lâmpadas. Otimizar o uso de energia em iluminação, entretanto, não é somente utilizar lâmpadas mais eficientes, mas também reatores e luminárias, fazer melhor uso da iluminação natural e sistemas de controle, desde o simples interruptor até sensores de presença e temporizadores.

  • Utilizar sempre que possível à iluminação natural abrindo janelas, cortinas e persianas de ambientes como: hall social, sala de visitas, salão de festas, salão de jogos.
  • Instruir os empregados do prédio a desligarem as lâmpadas de ambientes não ocupados, salvo aquelas que contribuem para a segurança.
  • Limpar regularmente paredes, janelas, pisos e forros. Uma superfície limpa reflete melhor a luz de modo que menos iluminação artificial se torna necessária.
  • Limpar regularmente as luminárias, lâmpadas e demais aparelhos de iluminação. Todas as instalações se tornam sujas com o tempo e reduzem a iluminação.
  • Substituir, quando possível, os difusores transparentes das luminárias que se tornaram amarelados ou opacos, por difusores de acrílico claro com boas propriedades contra amarelecimento, que permitirão uma melhor distribuição de luz.
  • Quando a decoração do local não for importante e não ocorrer problemas de ofuscamento, retirar o acrílico e o globo. Assim, poderão ser utilizadas lâmpadas de menor potência.
  • Substituir luminárias antiquadas ou quebradas por luminárias mais eficientes e de fácil limpeza.
  • Substituir, quando possível, as lâmpadas incandescentes por fluorescentes tubulares ou fluorescentes compactas que são muito mais eficientes. Cabe ressaltar que as lâmpadas fluorescentes, compactas ou tubulares, tem a sua vida útil drasticamente reduzida com ciclos de acionamentos repetidos, não sendo recomendada a sua utilização com sensores de presença ou minuterias.
  • Refazer, quando possível, os circuitos de interruptores para permitir o desligamento parcial de lâmpadas em desuso ou desnecessárias.
  • Nas garagens, procurar iluminar somente as áreas de circulação dos veículos e não os boxes.
  • Ao fazer uma reforma no prédio, evitar pintar com cores escuras as paredes dos halls dos elevadores, escadas e corredores, o que irá exigir lâmpadas mais potentes com maior consumo de energia elétrica para a obtenção do mesmo nível de iluminamento caso fossem utilizadas cores claras.
  • Em áreas externas (jardins, estacionamentos, locais de lazer, etc.) estudar a possibilidade de substituir as lâmpadas existentes por lâmpadas de vapor de sódio à alta pressão que fornecem mais luz, com menor consumo de energia elétrica. Analisar também a possibilidade de se instalar fotocélulas ou temporizadores para controle da iluminação.

Se o prédio não possuir interruptores temporizados nas lâmpadas dos corredores dos andares e garagens, pode-se instalar um dispositivo elétrico chamado "minuteria", o qual permite manter acesas temporariamente as lâmpadas desses locais. Existem dois tipos de minuteria: a eletrônica e a eletromagnética. Ambas permitem a instalação dos sistemas coletivo ou individual. Tendo em vista que a movimentação de entrada e saída de carros não é constante durante todo o período noturno, principalmente na madrugada, não se justifica ficarem as lâmpadas permanentemente acesas. O mais correto é possuir um controle do ciclo de operação das lâmpadas e isto pode ser conseguido através da instalação de sensor de presença. Elevadores consomem tipicamente um terço da eletricidade, havendo modelos muito mais eficientes que outros. As unidades antigas eram acionadas por motores de corrente contínua, acionados por geradores, acionados por motores de corrente alternada, ou seja, três máquinas em série. Hoje, dispositivos eletrônicos controlam motores de indução. Para economizar energia elétrica e evitar um maior acionamento dos elevadores, maior desgaste dos equipamentos, as recomendações são as seguintes:

  • Havendo dois elevadores no mesmo hall (um social e um de serviço) deve-se chamar apenas um.
  • Conversar com os pais para orientarem as crianças no sentido de não apertar todos os botões do painel, e não fazer do elevador um veículo de recreação. Existem sistemas que impedem chamadas múltiplas, consulte o fabricante.
  • Não sobrecarregar o elevador, respeitando o número máximo de passageiros indicado na cabina.
  • Havendo dois elevadores sociais no mesmo hall, verificar a possibilidade para que eles trabalhem alternadamente, ou seja, um atendendo os andares pares e outro atendendo os ímpares.
  • Estudar a possibilidade de desligar diariamente e de maneira alternada um dos elevadores no horário de menor movimento e menor utilização.


Fonte: www.eletropaulo.com.br

Página Inicial | Empresa | Serviços | Dicas | Proposta | Contato

©2019 Reggiani

Endereço: Al. dos Jurupis, 452 - Cjs. 11/12
Moema - São Paulo - SP
Cep: 04088-001

Desenvolvido por: Athos